Por Michella Depiro.

A globalização e cenários de incertezas vem exigindo das organizações reflexões no seu modo de pensar e agir. Para isso, novas habilidades e a capacidade de adaptação a esse contexto vem ganhando prioridade na agenda de Gestão de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional. Consequentemente, a necessidade de se reinventar, assim como, revisitar seus objetivos estratégicos e suas práticas operacionais, tornam-se uma vantagem competitiva e uma abertura para se adaptar às mudanças necessárias. E isto tem provocado as organizações a tomarem consciência da importância de rever sua Cultura, refletindo no seu modelo de negócio e gestão.

E como isso reflete nas pessoas? Revisitando seus sistemas e objetivos estratégicos, as organizações precisam envolver seus colaboradores e deixar claro em como percorrer os caminhos de hoje e do futuro, qual a forma de se relacionar e construir suas alianças e como devem se conectar com o ambiente externo, buscando novas tendências e tecnologia, se adaptando com maior fluência e bem-estar a novos contextos e cenários.

Neste ponto que se entende a necessidade de revisitar as competências organizacionais. As alavancas para o seu diferencial competitivo estão na forma como as pessoas fazem as coisas. Com as mudanças, a área de gestão de pessoas vem redesenhando seu Sistema de Competências e de Performance, desenvolvendo um novo mindset para seus colaboradores, a fim de que possam ser mais dinâmicos e preparados para os desafios e globalização, promovendo um ambiente de desenvolvimento e melhores resultados.

Geralmente, todas estas intervenções estão ligadas diretamente a uma evolução ou transformação cultural que a organização está passando e, muitas vezes, não tem consciência da profundidade da mudança. Projetos podem se iniciar por uma revisão de competências ou uma adequação de métricas de avaliação de performance, mas ao estudar o cenário, observa-se uma mudança de cultura por estímulos externos, de mercado ou da economia global. Por isto, é fundamental a organização compreender de fato o seu caminho “cultural” (sua cultura real e ideal) e, a partir disto, compreender quais as competências necessárias para o negócio se fortalecer, desdobrando-as em pipelines de liderança para que todos possam compreender seus papéis, responsabilidades e propósitos em suas áreas e funções.

Cabe a área de Gestão de Pessoas, saber conectar todos estes aspectos: cultura, performance, competências, liderança, mercado e gestão da mudança para promover, de fato, uma transformação sustentável no negócio. Para compreenderem mais, sugerimos a leitura e entendimento do método Competing Values Framework de Cammeron & Quinn – pesquisadores que estudaram durante muitos anos como promover ou o que ocasionava a performance nas organizações. E estas pesquisas nos trazem insumos importantes sobre cultura e aprendizagem corporativa. Por aí se inicia todo o projeto guarda-chuva de desenvolvimento organizacional.

Mais do que nunca, conectar todas essas estratégias de pessoas as necessidades do negócio, é extremamente importante para uma Cultura. Desta forma, promovemos um propósito compartilhado e maior engajamento, com clareza sobre o que se espera de cada um e de suas entregas, para juntos, construírem o melhor caminho para chegar nos melhores resultados, com as pessoas certas, no lugar certo e na hora certa.

Se você está passando por este momento, A Wepeople pode te ajudar com orientações e compartilhando cases de sucesso nestas intervenções de cultura, liderança e competências. Somos especializados na criação e entrega de projetos de transformação e desenvolvimento organizacional.

Gostou do artigo? Compartilhe com a sua rede para construirmos, juntos, transformações significativas nas organizações.