“Por as suas palavras para andar” ou “walk the talk” é uma expressão indígena que significa o poder da palavra e da comunicação e da ação de coerência ou integridade diante do que pensamos, sentimos e falamos. Para os índios, a palavra é algo muito importante pois, significa que suas palavras falam sobre o seu comprometimento com o Universo. Ou seja, você se compromete com o todo quando diz algo. É o seu combinado, é a sua palavra. Por isto, dizer é um ato sagrado. E quando alguém fala, toda a comunidade indígena escuta, pois esta pessoa está com o poder da palavra e, através dela, ela falará sobre si, sobre seu posicionamento, sobre sua ação e intenção.

Além de ser um ato de compromisso, para os índios, quando você apresenta um alinhamento entre a sua intenção e seu coração, o Universo atua a favor para que aquilo possa acontecer. E, por isto, nosso pensamento em alinhamento com a nossa palavra possui um poder enorme de transformar e realizar. “A realidade do homem é o seu pensamento”. Então, você já parou para refletir sobre o poder da palavra e a nossa responsabilidade sobre a mesma?

Neste mundo de tantas falas, palavras, comunicações vazias, sem escuta e sem o respeito pelo que se diz e o que se fala, imagina como estão as relações e a construção de algo comum… E o que mais me impressiona é perceber que uma das demandas mais fortes na consultoria de desenvolvimento organizacional e/ou de gestão da mudança é trabalhar a integridade, o alinhamento entre discurso e a fala. E isto não deveria ser algo natural do ser humano, assim como era para os  nossos antepassados e nativos? Onde perdermos a visão/prática sagrada da palavra, da comunicação e do posicionamento?

Faça o seguinte exercício: veja quanto tempo você se relaciona com as pessoas ou passa o dia sem contar uma mentira. Uma mentirinha qualquer, como, por exemplo, dizer que a pessoa está bem quando não está, ou dar uma desculpa para não ir em um evento, etc. As vezes, quando contamos os minutos entre uma mentirinha e outra, ficamos assustados! Pouco é o tempo sem falar algo que não é verdade, por menor que seja. Mas, estes poucos, já nos dizem muito: medo de magoar, medo de decidir, medo de não ser envolvido, influência ou poder, manipulação ou estratégia… Seja qual for o motivo, ele não fortalece o seu olhar, nem a sua integridade, confiança e credibilidade. E por que hoje nas organizações se pede tanto um treinamento de relações de confiança ou de integridade? Porque deixamos de fazer algo sagrado e nobre por diversos motivos – deixamos de ser autênticos e coerentes e, por incrível que pareça, estes são os valores mais procurados entre os profissionais para exercerem com sucesso a posição de liderança.

O líder direciona, influencia, engaja a equipe, lidera mudanças, se ele muda a si mesmo primeiro. Se ele descobre suas habilidades, sua vulnerabilidade, seu propósito e seu significado, alinhando com o propósito de seu cargo e de sua organização e, a partir daí, vivendo com coerência o seu pensar, sentir, dizer e fazer. Se assim o faz, revela integridade e conquista a confiança de todos. Que bom ser livre  para ser o que é, respeitando e honrando as pessoas e as situações, pois isto traz a autenticidade. E se você possui um genuíno desejo de contribuir para relações ganha.ganha, todos se beneficiam com a sua inteireza: você, o outro, a equipe, a empresa, a sociedade.

Ana Cecilia Vidigal Passos
porumavidacomproposito.com